Sobre

“Pode me chamar de Nantai

:-)

.

Nascida em 1986, morou até os cinco anos em uma chácara quase isolada da sociedade (fato que ela não lamenta – ao contrário, era fantástico). Por causa disso, B. Craus Nantai teve como maiores companheiros a família, os livros, as coloridas peças de Lego e várias fitas da Disney – e um pastor alemão que puxava os galhos de amoreira para que ela os alcançasse. Somados, estes fatores favoreceram a paixão pela fantasia, ficção científica e a aventura, que são os maiores focos nas criações de Nantai.

Estudante autodidata das ilustrações e da arte de contar histórias, ela busca colocar em palavras e desenhos os mundos que gostaria que todos conhecessem. Procura levar às pessoas aquela centelha de magia e adrenalina saudável que muitos vão perdendo ao longo da adolescência. Com seus trabalhos ela reaviva o brilho daquilo que chama de “adultescência”, nos lembrando que todos temos um ser sonhador afogado lá dentro, tentando respirar em meio a tantos problemas do dia a dia.

Apaixonada por gatos (mas alérgica a eles), Nantai gosta de escrever com chuva, e recorre ao Rainymood e ao Soundrown quando o sol impera lá fora. A primavera é sua estação favorita, e sempre nota com um sorriso quando o primeiro ipê amarelo desabrocha anunciando a nova estação.

 

nantai_gato-com-chuva

=^.^=

“E então somos impelidos por uma força extraordinária. Ela surge do nada e simplesmente nos coloca lá, de frente para um mundo de possibilidades. ~Eis a leitura.”

(B. Craus Nantai)

 

Encontre Nantai por aí

 

coelhos-nantai_estudante-autodidata